Proletários de todos os países: UNI-VOS! PCP - Reflexão e Prática

Festa do «Avante!», Edição 'Nº 361 - Jul/Ago 2019'

A Festa do Avante! – Realização ímpar e de grande projecção política

por Paulo Loya

A realização da Festa do Avante! foi durante muitos anos uma aspiração dos comunistas portugueses, que mesmo nas duras condições de luta contra o fascismo nunca deixaram de acreditar que um dia seria possível a sua realização em Portugal.

E isso tornou-se realidade em 1976, decorridos dois anos da Revolução da Abril, numa imensa explosão de alegria que Álvaro Cunhal, na sua intervenção, classificou como «...a maior, a mais extraordinária, a mais entusiástica, mais fraternal e humana jamais realizada no nosso país» 1, reflectindo o sentimento de profunda alegria que muitos sentiram pela transformação do sonho em realidade.

A Festa do Avante! era uma realidade que veio para ficar e que Revolução de Abril de 1974 tornou possível, e cujos valores de democracia, de progresso social, de solidariedade, de liberdade e de paz que representa, decorridos 45 anos desse maravilhoso processo de emancipação do povo português, continuam de grande actualidade para o futuro de Portugal.

Desde a sua primeira edição um conjunto de traços estruturantes definiram a sua identidade e características fundamentais que sucessivas edições foram aprofundando, como o carácter de massas, a presença de diferentes expressões artísticas, culturais, desportivas, gastronómicas e de convívio, o trabalho militante na concepção, construção e realização, o seu carácter internacionalista e afirmação das propostas e do projecto do PCP.

Traços que transformaram a Festa do Avante! numa iniciativa ímpar, onde durante três intensos dias é possível contactar com as realidades do país e do mundo, encontrar amigos, conviver, visitar exposições, ler um bom livro, participar em actividades desportivas, desfrutar de diferentes gastronomias, abordar questões nacionais e internacionais, assistir a momentos culturais únicos e para diferentes públicos, descansar, e muito mais, tudo isto num único espaço de uma vastidão de emoções e sentimentos.

Mantendo as suas características essenciais, a Festa do Avante! sempre procurou acolher e estar atenta a contributos e sugestões, no sentido de dar resposta a solicitações e anseios daqueles que a visitam ou a constroem, no sentido de melhorar ainda mais a Festa do Portugal de Abril.

Muitas outras iniciativas foram entretanto surgindo no país, os designados Festivais de Verão, em larga medida centrados na promoção de espectáculos musicais e suportados por diferentes entidades comerciais ou locais.

Muitas vezes se tem procurado designar a Festa do Avante! como mais um Festival, ignorando a sua identidade e características e, principalmente, omitindo que ela é promovida pelo Partido Comunista Português.

Entre os aspectos que a diferenciam dessas outras iniciativas destaca-se o facto de ela ser uma realização promovida por comunistas, que acolhe muitos outros que, não sendo comunistas, sentem na Festa um espaço de amizade, confraternização, alegria, liberdade e fraternidade, onde sabe bem ir, estar e voltar no ano seguinte, e que fazem da Festa do Avante! uma iniciativa ímpar em Portugal e de forte projecção internacional

Desde 1990 é realizada na Quinta da Atalaia, Amora, Seixal, tendo antes passado pela antiga FIL, Jamor, Alto da Ajuda e Loures, sempre exigindo um elevado esforço para montar e desmontar estruturas, desbravar terrenos e instalar infraestruturas, cimentando a necessidade de ter um espaço permanente e fixo para a sua realização.

A recusa em 1987 da Câmara Municipal de Lisboa/gestão CDS em ceder o espaço do Alto da Ajuda, e impedindo a realização da Festa nesse ano, atrasando a resposta e argumentando com a construção de uma faculdade, acelerou os esforços para encontrar uma solução. A faculdade foi construída... apenas 20 anos depois.

É na Festa do Avante!, em 1989, que o camarada Álvaro Cunhal torna público que havia finalmente um local 2, um anúncio secundado por uma explosão de imensa alegria e da expressão «É nosso!, É nosso!» gritada por milhares de pessoas presentes.

Mobilizando militantes e amigos, a edição da Festa do Avante! de 1990 realiza-se já em casa própria. Um local que, ao longo dos anos, continua a ser alvo de sucessivas intervenções no sentido da criação de melhores condições em infraestruturas, instalações de apoio, armazéns e serviços de apoio aos visitantes, revelador de um Partido que nunca vira a cara à luta e muito menos desiste. E que, em 2014, alarga o espaço da Festa com a aquisição da vizinha Quinta do Cabo. Passando a Festa do Avante! a ter uma área total de 25 hectares, podemos afirmar com orgulho e confiança que temos Mais Espaço e Mais Festa.

Alvo constante de uma vasta ofensiva política e ideológica por parte dos nossos inimigos de classe, que recorrendo a um vasto arsenal de instrumentos de pressão, calúnia e difamação tudo têm feito para a denegrir e, no limite, travar a sua realização, ofensiva contra a qual os militantes comunistas têm desenvolvido luta e resistência, continuando, com dedicação e inteligência, a valorizar e a afirmar a Festa.

A verdade é que a Festa do Avante! é uma iniciativa prestigiada e respeitada junto de muitas e diferentes pessoas, entidades, associações e colectividades, que vêem nela um espaço de participação e um referencial de trabalho, honestidade e competência.

Importa, no entanto, alargar a sua divulgação e promoção e mostrar a importância do seu contributo para a luta dos trabalhadores. Porque aquilo que o grande capital não suporta e combate é o facto desta importante realização política, cultural e de massas estar hoje enraizada no imaginário colectivo de muitos homens, mulheres e jovens de várias idades, origens e geografias, que não prescindem de ir, estar e viver a Festa.

Este ano a 43.ª edição decorrerá nos dias 6, 7 e 8 de Setembro, assinalando o 45.º Aniversário da Revolução de Abril e os seus valores, promovendo um vasto programa musical e cultural, onde a Bienal de Artes Plásticas será uma realidade, várias peças de Teatro e Cinema serão exibidas, estarão patentes exposições da Ciência e sobre a Cortiça, vão funcionar mais de 10 palcos e espaços de animação, temas nacionais e internacionais serão debatidos e diferentes actividades desportivas decorrerão.

A realização de qualquer edição da Festa do Avante! implica serviços e equipamentos, como casas de banho, também acessíveis a pessoas com mobilidade reduzida, dispositivo de bombeiros e posto de saúde para primeiros socorros, as caixas ATM e Multibanco, espaços-bebé com condições para os mais novos, serviços de bagageira e de perdidos e achados, ou informações, ou plataformas que permitam às pessoas com mobilidade reduzida assistir aos espectáculos.

E a tudo isso é possível aceder numa Festa em constante evolução, e que este ano promoverá medidas para a substituição de plásticos fósseis e o alargamento da reciclagem. Que não ignora a preocupação com os aspectos paisagísticos, reflectida na plantação de centenas de arbustos e árvores (castanheiros, oliveiras, cedros, pinheiros ou ciprestes, entre outros), num esforço constante.

Com uma nova dinâmica, através do envolvimento de escolas do 1.º CEB na plantação de árvores para assinalar o Dia da Árvore. Uma participação iniciada em 2017 com cerca de 100 alunos e que alcançou mais de 800 alunos em 2019, possibilitando-lhes momentos de alegria e convívio em contacto com a natureza e vendo o rebanho de ovelhas que, este ano, pastava no recinto da Festa.

O alargamento do espaço da Festa permitiu melhorias significativas, o exemplo do espaço-criança, agora maior, em nova localização, com mais brinquedos, sendo um deles adaptado, o que permite o convívio entre as crianças em condições idênticas.

Uma Festa maior exigiu também um olhar mais atento para quem tem maiores dificuldades de mobilidade mas quer usufruir da Festa, e isso levou à introdução de um comboio interno em 2018 e ao reforço da sua oferta em 2019.

A realização da Festa do Avante! só é possível pelo esforço, o empenho e a dedicação de centenas de militantes comunistas e amigos do Partido, na promoção e divulgação, no projecto, na organização e no funcionamento, num esforço que mobiliza centenas de camaradas em trabalho militante.

A realização da Festa do Avante! implica que a todos os níveis da organização partidária sejam adoptadas medidas de direcção, organização e responsabilização de quadros, planificação e distribuição de tarefas, de forma alargada. Dando atenção aos aspectos da divulgação e promoção, assegurando a distribuição e colocação dos materiais, a realização de acções de contacto junto de empresas e locais de grande concentração de pessoas.

A venda e a compra da EP (Entrada Permanente) exige medidas muito concretas, através do alargamento da rede de vendedores, do aumento de locais de venda e da abertura regular dos Centros de Trabalho, organizando excursões, e principalmente estimulando o contacto de forma audaciosa com trabalhadores, familiares, amigos e vizinhos, convidando-os a conhecerem a Festa. Implica ultrapassar dificuldades e até falsos argumentos, como o do custo elevado da EP e que a simples comparação com os custos de ingresso em outros eventos logo desmonta, colocando em evidência o muito que a Festa do Avante! disponibiliza a quem a visita.

A aquisição da EP representa um compromisso de participação e também uma expressão da solidariedade, mas é principalmente através da sua venda antecipada que é possível garantir o êxito financeiro e de massas da Festa.

Afirmar a Festa do Avante! é contribuir com determinação e confiança para prosseguir a luta por uma Alternativa Patriótica e de Esquerda, por Uma Democracia Avançada – Os Valores de Abril no Futuro de Portugal, o socialismo e o comunismo.

Notas

(1) Álvaro Cunhal, Discurso na Festa do Avante!, Lisboa, 26 de Setembro de 1976.

(2) Álvaro Cunhal, Discurso na Festa do Avante!, Loures, 8 de Setembro de 1989.</p