Proletários de todos os países: UNI-VOS! PCP - Reflexão e Prática

Edição Nº 315 - Nov/Dez 2011

Abertura

Não dar tréguas ao pacto de agressão

por Revista o Militante

Perante a violência da agressão aos trabalhadores, ao povo e ao país, e a extraordinária gravidade das medidas anunciadas para o próximo Orçamento de Estado, a resposta só pode ser uma: mobilizar todas as forças que seja possível reunir, resistir por toda a parte e em todas as frentes, reagir a cada golpe do poder transformando a indignação em protesto e luta, multiplicar e diversificar a resistência e dar-lhe a expressão mais massiva e visível que seja possível.

Economia

A luta ideológica em torno da crise

por Carlos Carvalhas

A crise do sistema capitalista que estamos a viver e que continua em desenvolvimento tem dado lugar a uma intensa propaganda e criatividade de linguagem para desviar o pensamento das massas das verdadeiras causas da crise e fazê-las aceitar as falsas respostas.

Economia

Reflexões à volta da crise e da troika

por Agostinho Lopes

A gravidade da situação económica e social decorrente da fase actual da crise sistémica do capitalismo, obriga a classe dominante (a burguesia) a um extraordinário esforço de manipulação e diversão ideológica. Uma numerosa coorte de jornalistas, comentadores, articulistas, especialistas «sociais» – economistas, sociólogos, politólogos e filósofos… – é mobilizada e faz horas extraordinárias para explicar, justificar, esconder, as causas e os responsáveis pelo desastre.

Efeméride

Alves Redol - A escrita contra a sujeição

por Domingos Lobo

Este texto pretende-se evocativo de um dos autores mais fecundos, éticos e corajosos da ficção portuguesa do século XX; um dos obreiros do movimento estético e literário que teve na sua génese o contar das vivências, das lutas e das dores dos humilhados e ofendidos, dos «homens que acrescentavam ainda mais realidade ao real», no dizer de Óscar Lopes. No ano em que se cumprem 100 anos sobre a data do seu nascimento, a obra de Redol merecia uma mais extensa, demorada e profunda análise: ficam, no entanto, neste texto breve, alguns sinais para que os leitores regressem a um autor e a uma escrita que, tantos anos volvidos, ainda nos convoca, seduz e indigna.

Organização

Mais organização e intervenção nas empresas e locais de trabalho

por Revista o Militante

1. A situação actual comporta grandes exigências, é necessário um Partido mais forte e há condições para o seu fortalecimento.
O Partido Comunista Português é o partido da classe operária e de todos os trabalhadores, decorre da sua natureza de classe, objectivos e projecto a importância central que dá ao esclarecimento, à unidade, à organização e luta dos trabalhadores, que dá à organização e intervenção do Partido nas empresas e locais de trabalho.

PCP

Economia nacional - Teses que a vida confirma

por José Lourenço

A Resolução do Comité Central do PCP de 12 de Fevereiro, evocativa do 90.º aniversário do PCP, refere: «O prestígio e a importância política do PCP só foram possíveis com uma profunda identificação do Partido com os interesses nacionais, defendendo intransigentemente a soberania e a independência do país, expressa na dimensão patriótica da sua acção de sempre. A luta pela libertação do país do jugo do imperialismo – nos planos económico, político, ideológico e militar – foi e é inseparável da acção do PCP ao longo de décadas contra a dominação do país pelas grandes potências e a subserviência de hoje perante a NATO e a União Europeia.»

PCP

Difundir a imprensa do Partido - Uma tarefa de sempre

por Revista o Militante

Com a publicação do texto «O papel da imprensa do PCP na luta contra o fascismo e pela liberdade» (in «O Militante», n.º 313, de Julho-Agosto de 2011) divulgámos alguns logotipos dos mais de 200 títulos de publicações editadas pelo PCP desde a sua fundação, e em particular daquelas que, ao longo de 48 anos de ditadura fascista, vencendo toda a espécie de perigos e perseguições, foram saindo dos «Prelos da Liberdade» para levar às massas a voz do Partido, fazer a denúncia do fascismo, apelar à resistência e à luta.

Tema

O Estado assistencialista ou a esmola como política oficial

por José Augusto Esteves

Há momentos em que, por mais artifícios que se utilizem e se envolvam os factos com as roupagens da mistificação, não é possível iludir a verdadeira natureza das coisas. O edifício do Estado assistencialista talhado à medida do ideário neoliberal – que é hoje a doutrina oficial e única do capitalismo e dos seus gestores de vários matizes – acaba de receber um novo impulso em Portugal.

Trabalhadores

Organização e luta na defesa dos interesses de classe dos trabalhadores

por Amável Alves

Sendo intemporal a luta de classes, enquanto houver exploração do homem pelo homem haverá luta de classes, será por isso uma necessidade de sempre, por parte dos trabalhadores, a existência de uma organização de classe que os represente, que junte as suas forças, que assuma a sua defesa e que obtenha a máxima força na luta entre o trabalho e o capital, para a defesa dos seus interesses de classe e a conquista de uma sociedade livre da exploração.

capa

Edição Nº 315 - Nov/Dez 2011

Outros Artigos nesta Edição: