Proletários de todos os países: UNI-VOS! PCP - Reflexão e Prática

Organização, Edição Nº 368 - Set/Out 2020

Reforçar o Partido, preparar o XXI Congresso

por Revista «O Militante»

Vivemos tempos que exigem toda a determinação do Partido e dos seus quadros e militantes. Face a uma situação económica e social deteriorada, indissociável de décadas de política de direita, da epidemia e do seu aproveitamento, confrontado com uma intensa operação anti-comunista, e quando se evidencia cada vez mais a necessidade duma política patriótica e de esquerda, o Partido resiste e firmemente abre o caminho para uma vida melhor e uma sociedade mais justa.

A iniciativa e a acção do Partido têm sido intensas, da intervenção nas instituições à luta de massas e às acções de defesa da soberania nacional e da solidariedade internacionalista, dos comícios e sessões à preparação e realização da Festa do Avante!. Festa do Avante! alvo de um ataque sem precedentes, que evidencia a sua dimensão como a maior iniciativa político/cultural do país, a sua capacidade de atracção, este ano ainda mais importante como afirmação dos direitos democráticos, da resistência, da solidariedade, da confiança e luta pelos direitos dos trabalhadores e dos povos. O Partido tem sido sujeito a mais uma prova na sua longa história, o seu fortalecimento é essencial. Essa é uma tarefa permanente.

Nesse sentido assinalam-se avanços no funcionamento presencial que importa generalizar, pelo impulso que dá ao trabalho colectivo, ao funcionamento dos organismos e à intervenção do Partido, tal como importa garantir as tarefas necessárias à dinamização da organização e prosseguir a linha de ligação às massas.

Impõe-se também prosseguir a adopção das medidas necessárias de direcção, quadros e sustentação financeira, a todos os níveis e particularmente em algumas organizações e áreas.

A política de quadros assume uma importância decisiva. É necessário o levantamento, responsabilização, acompanhamento, ajuda e formação dos quadros e uma discussão e controlo de execução regulares. Deve ser considerada a marcação de iniciativas de formação política e ideológica nas organizações e na Escola.

No plano do reforço da organização e intervenção junto da classe operária e dos trabalhadores nas empresas e locais de trabalho, definidos pelas organizações os objectivos no âmbito da acção 100 novos responsáveis por células/100 novas células de empresa e local de trabalho, até Março de 2021, e em muitos casos já identificadas as células a constituir, bem como os nomes de camaradas a responsabilizar, é a hora de concretizar esses objectivos. O controlo de execução deste trabalho deve começar a ser feito mensalmente. Deve seguidamente dar-se atenção: à máxima activação/dinamização da estrutura já existente; ao trabalho de integração dos novos militantes recrutados no âmbito dos 5 mil contactos; à selecção dos cerca de 3600 trabalhadores com quem se falou e não aderiram ao Partido, para falar novamente com aqueles que se justifique e ainda à conversa com trabalhadores que se vão destacando na luta reivindicativa e com os cerca de 2700 trabalhadores cujo nome foi registado mas não houve conversa.

Revela-se também a importância da realização dos encontros regionais de quadros sobre a organização e intervenção do Partido nas empresas e locais de trabalho para fazer a apreciação da situação dos trabalhadores, dos seus problemas e reivindicações, das questões que se colocam para o reforço da sua unidade, organização e luta, a avaliação do grau de organização e intervenção do Partido, do trabalho desenvolvido pelas células e para a constituição de células, a valorização das experiências e a definição de linhas de trabalho futuro.

Igualmente importante é a preparação e realização de um trabalho de ajuda aos camaradas que assumem ou vão assumir a responsabilidade de células ou do trabalho para a sua constituição, ajuda individual, ajuda com materiais, ajuda com a realização de iniciativas/reuniões de preparação e formação.

É preciso insistir no apelo ao recrutamento e nos contactos com esse objectivo, colocando, no tempo presente, aos que se identificam com o Partido e o seu projecto e se destacam pela sua consciência e acção, a necessidade de integrarem o Partido e darem mais força à sua organização, à sua luta, à sua influência, elementos decisivos para que cumpra o seu papel.

Desenvolver o trabalho de propaganda e a difusão do Avante! coloca-se como necessidade ainda mais evidente quando a generalidade dos meios de comunicação estão dominados pelo grande capital e sintonizados em sucessivas campanhas de manipulação e mentira.

Impõe-se dinamizar a actividade editorial promovendo a venda de livros que são da maior importância, no plano político, ideológico e cultural, directamente pelas organizações do Partido, mas também discutindo com camaradas que intervêm em organizações unitárias para a difusão aos seus activistas e associados.

Prosseguir o trabalho para garantir a independência financeira do Partido de modo a protegê-lo de qualquer veleidade daqueles que, comandados pelo grande capital, querem sufocá-lo financeiramente, é uma tarefa essencial. Neste âmbito, é preciso dar atenção às medidas para a quota em dia, a quota com o significado do dever de cada membro do Partido inscrito nos Estatutos, a quota com a importância que tem para o financiamento da actividade do Partido. E é preciso dinamizar o trabalho da Campanha Nacional de Fundos «O futuro tem Partido», generalizando as experiências positivas existentes, dando prioridade às conversas para compromissos, às abordagens e ao controlo da entrega de dinheiro, um trabalho que tem largo campo de concretização. Ao mesmo tempo deve perspectivar-se o desenvolvimento da fase de massas com a contribuição mesmo que modesta de todos os trabalhadores e todos os democratas e patriotas que reconhecem a importância do PCP e da sua intervenção.

O reforço do Partido é uma tarefa decisiva que é preciso levar a cabo em articulação com importantes batalhas políticas, com o Centenário do Partido e com a preparação do XXI Congresso.

Batalhas políticas em que se destacam: a iniciativa política na afirmação da alternativa patriótica e de esquerda, no desenvolvimento da luta de massas, nas campanhas das Eleições para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores de Outubro próximo e na campanha das Eleições para Presidente da República, que terão lugar em Janeiro do próximo ano e que desde já estão colocadas no terreno da intervenção política.

Comemorações do Centenário do Partido que estão em curso, nas suas várias dimensões, no plano das iniciativas centrais, das organizações do Partido e da JCP.

E o XXI Congresso, que se realizará a 27, 28 e 29 de Novembro, e que assume agora uma grande prioridade no trabalho do Partido. Iniciada a sua primeira fase em Março, vamos brevemente, ao mesmo tempo que se preparam as soluções de direcção, entrar na terceira e última fase da preparação do Congresso, com a discussão das Teses – Projecto de Resolução Política em todas as organizações do Partido, suscitando a opinião e a contribuição de cada militante e a eleição dos delegados ao Congresso, num processo de preparação incomparavelmente mais democrático que o de qualquer outro partido no nosso País.

Esta terceira fase da preparação do Congresso, em que se vai entrar a partir de final de Setembro, precisa de ser programada e preparada de modo a propiciar a maior participação dos militantes nas condições concretas em que se vai realizar e ao mesmo tempo constitui uma oportunidade para o reforço da organização do Partido, para assegurar o êxito do XXI Congresso e um PCP mais forte e mais influente.